#Murph

By | May 30, 2016

Esse post precisa de um tanto de contexto, então tenham um pouco de paciência com a introdução. 🙂

Militares

Ao contrário do Brasil, onde os militares variam entre desprezados e odiados, aqui na América do Norte (tanto no Canadá como nos EUA) os militares são heróis nacionais, muito respeitados pela sociedade.

O alistamento militar não é obrigatório, mas mesmo estando envolvidos em guerras e com a certeza de serem mandados para alguma zona de combate uma quantidade enorme de gente se alista em alguma das armas.

Halifax, por exemplo, é a Base Naval do Leste das forças armadas canadenses, então muita gente por lá se alista na Marinha. Aqui nos EUA parece que os Marines são bem populares, mas tem gente que se alista desde o exército até a guarda nacional.

Se alistar vem com suas vantagens: Além da possibilidade de seguir carreira militar, eles pagam seu estudos, o que é uma grande vantagem por aqui onde normalmente as pessoas não estudam e trabalham ao mesmo tempo e portanto acumulam uma enorme dívida durante a faculdade. Isso sem contar que militares e veteranos não pagam licenciamento de automóveis e tem descontos significativos em restaurantes, serviços e até algumas lojas e mercados.

Em honra ao militares que perderam suas vidas ao serviço do seu país tanto o Canadá como os EUA tem um feriado em respeito a eles: Remembrance Day (Canadá) e Memorial Day (EUA).

Hoje é Memoria Day.

CrossFit

Não sei quão popular CrossFit está aí no Brasil, mas por aqui é um bocado popular. Cada academia faz sua própria programação (WOD – Workout of the Day), mantendo em mente “movimentos funcionais constantemente variados realizados em intensidade relativamente alta, refletindo os melhores aspectos de ginástica, halterofilismo, corrida, remo e etc.”

Além disso, ainda existem alguns WODs que são chamados benchmarks. Entre eles estão “as meninas“, que são WODs com nomes de mulher – como Cindy, Daiane e Helen – os do open – como 16.1, 15.4, etc – e os “heroicos”.

Heroicos são WODs com o nome de militares que morreram na linha de combate. Alguns desses militares eram praticantes de CrossFit e tinham um WOD favorito que eles mesmos haviam criado e por isso esses WODs são batizados em homenagem a eles. O mais famoso desses WODs Heroicos é o Murph.

Michael P. Murph era um tenente da Marinha americana – Navy Seal – que morreu em combate no Afeganistão em 2005. Ele recebeu uma enorme quantidade de condecorações – em vida e póstumas – pelo seu serviço e é um verdadeiro herói nacional por aqui.

O WOD favorito do Tenente Murph era:

  • Correr uma milha
  • 100 flexões na barra
  • 200 flexões de braço
  • 300 agachamentos
  • Correr uma milha

Isso tudo utilizando seu colete à prova de balas de 20lbs (+/- 9Kg).

The-Murph

 

O dia de hoje

Com esse contexto em mente, é tradição em todas as academias de CrossFit agendar “Murph” para o Memorial Day (ou Remembrance Day no Canadá).

Eu sempre preferi tirar o dia de folga no Remembrance Day no Canadá. Mais pelo medo de enfrentar o Murph do que por qualquer outra razão. Mas eu já tinha colocado na cabeça que esse ano eu iria fazer. Eu pensei em treinar bem o ano todo e me preparar psicologicamente. Tudo ia ser bem planejado. Afinal, remembrance day é só em Novembro.

Ops… Deu um problema no meu plano já que o Memorial Day é em Maio. Teve que ser no vamos-ver-no-que-isso-dá.

A primeira decisão foi logo dispensar o colete. Sem condições de fazer isso tudo com 9Kg a mais.

A segunda foi: Como quebrar esse tanto de exercício? Fazer exatamente como descrito é o que eles chamam de “warrior style” (método do guerreiro). Mas a maioria das pessoas acaba fazendo em “Cindy style”.

Cindy é uma das meninas do CrossFit (citada acima) onde faz-se:

  • 5 flexões na barra
  • 10 flexões de braço
  • 15 agachamentos

O máximo de vezes possíveis durante 20 minutos.

Então fazer Murph, Cindy style seria:

  • Correr 1 milha
  • 20 rounds:
    • 5 flexões na barra
    • 10 flexões de braço
    • 15 agachamentos
  • Correr 1 milha

O problema para mim é que flexão de braço me deixa fatigado muito rápido. Se eu chego num ponto de exaustão eu simplesmente travo os braços e não consigo fazer nem mais uminha. Então para evitar isso eu fiz o seguinte:

  • Correr 1 milha
  • 20 rounds:
    • 5 flexões na barra
    • 5 flexões de braço
    • 15 agachamentos
    • 5 flexões de braço
  • Correr 1 milha

A esposa foi mais valente do que eu e foi de Cindy Style. Em compensação ela fez as flexões na barra usando tiras elásticas (como na foto abaixo) e as flexões de braço apoiada nos joelhos.

Band-Assisted-Pull-up

 

Eu tinha me colocado o firme propósito de terminar em mais ou menos 1h20m. Mas qual foi meu choque ao chegar na academia e ser informado que o tempo máximo permitido seria de 1h. E pior: Se até os 45 min você não tivesse terminado a parte principal do WOD você iria ser interrompido e mandado pra correr a última milha sem terminar. Já bateu um desânimo ai.

Aos 38 minutos eu ainda tinha meia dúzia de rounds e a exaustão tava pesada. Os calos das mãos começaram a ceder e pouco depois já estava sangrando e eu considerei desistir. Aos 43 min ainda tinha dois rounds. Não sei onde achei energia e velocidade pra chegar a esse ponto. Já estava com visão tunelada e com a certeza que não ia conseguir, mas aos 44:30 mais ou menos terminei e sai para corrida. “Corrida”… Precisei andar um pouco e mesmo quando corria não era rápido. Depois de 300 agachamentos as pernas parecem geleia. Que sensação horrível foi na volta, que era subida.

Fui o penúltimo a terminar na nossa sessão, com um tempo de 55m:26s. Me surpreendi com o resultado, 25 minutos melhor do que o planejado. E acho que ano que vem vou tentar de colete.

A outra coisa é que achei que estaria totalmente podre depois do Murph, tipo precisando de uma cadeira de rodas e uma semana de descanso, mas até que não. Acho que vou tirar um cochilo de tarde e talvez ir nadar amanhã ao invés de CrossFit, mas nem de longe estou tão ruim quanto achei que estaria.

De uma forma geral foi um WOD desafiador, mas divertido e em honra aos militares que dedicam suas vidas para protegem suas pátrias. Valeu a pena participar.

IMG_20160530_100621

Esposa e eu depois do WOD

No tag for this post.

2 thoughts on “#Murph

  1. E. Coelho

    Só de ler fiquei exausto!!!
    Parabéns ao casal pela garra.

  2. Vera Maria Ramos Bastos

    Eu tenho muito orgulho de vocês.

Comments are closed.