Continuidade de negócios

By | March 4, 2008

Tá ai um assunto que eu gosto muito e depois do meu post sobre o backup aqui de casa me animei a escrever sobre isso.

Se você trabalha/trabalhou na área de TI numa empresa decente já deve ter ouvido esse termo. Para os mais íntimos é conhecido como “Bus Factor” , pelo menos quando falamos de pessoas.

Podemos resumir continuidade de negócios de uma forma bem simples: Se der a maior M da paróquia, como a empresa vai continuar sua atividades normais e evitar a falência?

Se pegar fogo na matriz do banco, como os clientes continuam tendo seu dinheiro disponível? Se bater um avião no CPD da seguradora, como garantir todos os bens segurados de seus clientes no dia seguinte? Se sua equipe de TI resolver participar de um campeonato de rafting e morrerem todos afogados, como garantir que a empresa não vai parar?

Isso é continuidade de negócios e é um assunto muito complexo e ligado diretamente com segurança da informação (que eu adoro) e com planos de negócios da empresa.

Já trabalhei desde empresas em que “continuidade de negócios” era uma frase completamente desconhecida até empresas onde os caras podem dar aula do assunto.

Como é de se imaginar, empresas pequenas simplesmente não tem um plano. As mais esforçadas tem um backup quinzenal meia-boca que é basicamente a cópia de uns dados de um computador pro outro. Então em caso de roubo, fogo ou qualquer outra coisa física a empresa está em maus lençóis. Documentação? Isso non ecxiste. Se o cara de informática pedir demissão a empresa pode quase falir.

desespero.jpg

Algumas empresas médias e até algumas grandes (onde trabalhei e/ou tive como cliente) ACHAM que tem um plano. Meia dúzia de planilhas excel maltrapilhas que somente 4 ou 5 pessoas sabem onde fica e uma agenda de telefones num banco de dados desconhecido de 99% dos funcionários. Esse banco de dados nunca é atualizado, é bom falar.

Em compensação algumas tem um plano sensacional, conhecido (e relembrado) largamente por todos os funcionários da empresa, não somente os de TI, e elas colocam esse plano à prova pelo menos 2 vezes por ano!

Independente do tamanho da sua empresa, se você é sysadmin, crie seu BCP!

Related posts

3 thoughts on “Continuidade de negócios

  1. Erivaldo Bastos

    Assunto importante e normalmente esquecido.

    Muita gente somente lembra quando não dá mais jeito, aí fica como a mulher da foto: arrancando os cabelos.

  2. Fernando Pedro

    Quanto a backup costumo ser um pouco paranóico. Mas somente depois de perder tudo.
    Hoje em dia, todos os códigos que desenvolvo tem backup’s extras.
    Explico: projetos particulares: pen-drive – diário, dvd-rw – semanal e ftp – semanal.
    Projetos do trabalho: somente pen-drive. Lá já existe backup em fitas DAT. Mas também ficam dentro do hospital. Se pegar fogo, cair um avião lá ou o Bin Laden resolver explodir lá, e eu não tiver lá, teremos backup. Agora se eu estiver lá dentro aí phudeu. rsrsrs
    Mas esse do pen-drive já salvou lá. Antes de ter os códigos do desenvolvimento inclusos no backup em DAT (e o sistema ainda não estava em produção e já tinha 8 meses de desenvolvimento) deu um problema no HD do servidor de desenvolvimento. Aí meu backup no pen salvou. Inclusive ganhei três almoços: do Gerente de TI, do Gerente de Desenvolvimento e do responsável do Backup. O único que já pagou foi o Gerente de Desenvolvimento.

  3. João Rodolfo

    Ola Main_Man

    Legal o seu post, agora a grande dificuldade de um sysadmin falar de DR, BCP em uma empresa é que geralmente o mesmo não conheçe a vida financeira e administrativa da empresa, então como justificar, como provar que a empresa parada em o sistema X perderia 1.000.000,00R$, portando é dificil hoje para TI mostrar essa nescessidade, claro acho que TI deve plantar a semente do BCP nas organizações, mas o “board” ou seja a diretoria da organização tem se conscientizar e levar o BCP adiante.

    Do que adianta ter H.A., Backup, Computadores de Contingência, se você mantem tudo no mesmo prédio ?

    Do que adianta você ter tudo isso e não ter energia elétrica, que particularmente na grande SP tem se tornando algo que rotineiro para alguns bairros.

    Portanto o DR é sim um start para o BCP, mas não vai adiantar ter o TI se vc não entregar o seus produtos ou serviços e fazer a empresa quebrar.

    Todos devem pensar nisso.

    Abraços.

Comments are closed.