Nettrack

By | July 25, 2009

UPDATE: A esposa falou que estou cada vez mais analfabeto. Reescrevi o primeiro parágrafo.

UPDATE2: Mudei o Trac de lugar.

Já que estou aprendendo a programar mesmo pensei em colocar algumas das coisas que estou vendo para ajudar no que eu realmente trabalho: administração de sistemas.

Um problema que já vi N vezes é manutenção de uma base de dados com subnets, ips, switches, portas e hosts dentro da empresa. Mesmo no meu emprego atual alocação de IP é feito na base do “pingou, não respondeu, tá vago”. E não só lá, mas diversos outros lugares por onde passei era a mesma história.

E nos switches a mesma coisa. “Fulano, que host é esse na porta X que tá dando erro de CRC pra caramba? Não sabe? Perai que vou ver o MAC dele… ” E ai começam os 15 minutos de arp/ping/nslookup pra descobrir que host era…

Pior quando a equipe de redes e a equipe de sistema operacionais não se entende e rola um troubleshooting de 2 horas para descobrir que o host certo, com o ip certo estava na porta certa do switch certo, mas com a vlan errada. Tenho pesadelos com isso até hoje.

Felizmente alguém pensou nisso no meu último trampo no Brasil e tentou resolver o problema. Mas a tentativa era apenas uma planilha Excel com todas as informações necessárias. O que funcionaria bem, se todo mundo tivesse sempre a mesma versão. O que não acontecia nunca, pois sempre alguém tinha um email velho, uma cópia salva no desktop ou, pior ainda, uma versão impressa de 2 semanas atrás.

Eu sempre quis criar uma versão web desse negócio, mas a falta de conhecimento sempre foi um problema e agora que tá sendo goela abaixo mesmo, vou aproveitar.

Além disso todo nerd precisa de um pet-project, certo?

Então tentei começar já do jeito certo, usando Python/Django (afinal não quero ficar me repetindo). Ainda assim está sendo mais complicado do que eu imaginei, já que a cada poucas linhas de código tenho que parar para ler umas 10 páginas de documentação até achar o que eu quero. Isso sem contar que criar os modelos me deu nó no cérebro.

De qualquer forma, convido a todos os meus (3) leitores a dar uma olhada no projeto e adicionar umas linhas de código nele. Criei um repositório SVN de onde você pode importar usando:

svn co http://svn.linuxman.pro.br/nettrack

E ainda está bem crú, mas logo dou uma incrementada no Trac.

Related posts

2 thoughts on “Nettrack

  1. Silvio Fonseca

    Fala Eri, acho que já comecei a escrever um sistema desses em uma meia dúzia de linguagens até hoje 😛 O link to TRAC ta quebrado, arruma lá pra gente poder acessar e contribuir com alguma coisa 😉

  2. Francico

    Eri,

    Eu acho que sou o pior programador do mundo, mas pelo menos eu posso testar :).

    abs

    Chico

Comments are closed.