Stroganoff de Camarão, ficção e realidade

By | August 17, 2011

Morar nas maritimes tem suas vantagens e frutos-do-mar por preços acessíveis é uma delas. Taí uma receita que costumo fazer e está na minha lista pra essa semana.

Ingredientes:

  • Meio quilo de camarão limpo e pré-cozido
  • Meio copo de yogurte natural
  • 1 copo de molho de tomate
  • 1 cebola picada
  • Azeite a gosto,
Modo de preparo:
Pré-aqueça uma frigideira no fogo médio, pique bem a cebola e reserve. Coloque o camarão num recipiente à parte e deixe o molho e o yogurte bem próximos um do outro. Espere entre 10 e 15 bilhões de anos (tempo aproximado), Coma enquanto ainda quente. Serve 4 pessoas.
Opa. Foi mal. O meu modo de preparo simplesmente cuspiu na cara de Isaac Newton ao desprezar sua primeira lei, né? Quer dizer… o camarão tende a ficar paradinho no seu recipiente exceto se uma força externa for aplicada a ele.
Isso sem contar com a sempre estraga-prazeres segunda lei da termodinâmica, que diz que a quantidade de entropia num sistema fechado (aka minha cozinha) tende a aumentar conforme passa o tempo. Ou seja: Obrigatoriamente meu camarão vai estragar, minha cebola vai azedar e a frigideira vai esfriar antes desse stroganoff ficar pronto.
Você que já me acompanha a mais tempo sabe onde vou chegar com essa conversa, mas continue lendo mesmo assim.
Um stroganoff é uma receita simples, que precisa de poucos ingredientes e pouco preparo mas não precisa ser cientista para ter o bom-senso de saber que meu modo de preparo é furado. Pense comigo: Tenho todos os ingredientes já na quantidade ideal, fisicamente próximos uns dos outros e num ambiente ideal (a cozinha). Mesmo assim essa receita jamais irá preparar-se a si mesma.
Se ajudasse eu poderia fornecer um macaco. A responsabilidade dele seria agir como um agente externo de possibilidades. Segundo o que é defendido por inúmeros cientistas, dado um número suficiente de possibilidades e universos (multiversos) em alguma realidade paralela em alguns bilhões de anos eventualmente o nosso macaco iria misturar os ingredientes na quantidade, ordem e recipientes corretos e acabar fazendo o stroganoff. Ridículo? Eu também acho.
Agora note, por favor, que minha receita está para o DNA assim como uma cabana feita com um cobertor e duas cadeiras está para o Burj Khalifa. E mesmo assim cientistas como Richard Dawkins sustentam que é matematicamente possível que a receita da vida tenha surgido apenas pelo fato de ingredientes ideais estarem no mesmo lugar ao mesmo tempo numa incrível coincidência cósmica.
Sei lá, mas eu já li e pesquisei um bocado sobre como seria o ambiente no planeta quando tais circunstâncias ideais apareceram e vou dizer que minha cozinha limpinha e orgazinada é um ambiente muito mais propício para que ingredientes se auto-coordenem do que num lugar caótico, tempestuoso e vulcânico como teria sido o início do planeta. Só pensando…
Não só as chances da vida ter surgido de não-vida são ridiculamente pequenas (você pode acabar com todo o endereçamento IPv6 e exaurir um filesystem ZFS antes de começar a chegar perto do número de zeros necessários), mas ainda por cima isso teria que ter acontecido muitas e muitas vezes até que uma das novas moléculas “sobrevivesse” nesse ambiente inóspito o suficiente para criar outra e outra e outra de si mesma.
Agora, não me entendam errado. Eu sou um grande fã de ficção. E sou um grande fã de quadrinhos também e acho que ninguém trabalha melhor e especula melhor a possibilidade de multiversos e realidades paralelas do que os quadrinhos.
Nesse exato momento a DC está reformulando todos os seus personagens e até onde li basicamente o anti-flash está alterando a realidade do nosso universo conhecido e trazendo para cá o que seria uma realidade paralela em outro universo.
Outro exemplo muito bom foi a saga Marvel vs DC onde os “universos” percebem a existência um do outro e decidem que só um pode existir, causando um guerra entre os heróis das duas editoras. (E eu ainda acho que o Lobo deveria ter ganhado do Wolverine).
Eu posso ler e me envolver por horas a fio com histórias de universos paralelos, realidades alternativas, possibilidades infinitas, viagem no tempo e etc. Mas no final do dia eu sei que isso tudo é ficção e não realidade.
Quando olho um software eu não assumo que deixaram o servidor de GIT ligado por milhões de ano e o código apareceu. Eu imediatamente assumo que existe um programador.
Quando vejo uma escultura nem por um instante eu penso: “Que bela obra do acaso”. Eu posso não saber nada a respeito daquela escultura, mas uma coisa eu e qualquer outra pessoa do mundo tem certeza absoluta: Existe um escultor.
E da mesma forma que uma pintura exige um pintor, uma mesa pre-supõe um carpinteiro e um sistema operacional foi codificado por um hacker toda e qualquer criação precisa de um criador.
Apenas o senso comum é suficiente para nos dizer que se uma coisa ridiculamente simples como um stroganoff de camarão não pode surgir sem um cozinheiro quiçá então mais a vida, o universo e tudo mais que existe.
Não, 42 não é a resposta. Isso, de novo, é só ficção.

No tag for this post.

8 thoughts on “Stroganoff de Camarão, ficção e realidade

  1. vera

    Eri, concordo com você!
    Nada na vida acontece do acaso.
    Tudo tem um criador, e o Universo tem o nosso Deus criador>

  2. Julio Mauro

    Gostaria de saber o que voce andou tomando 🙂

  3. Chico

    Eu, realmente, estava esperando uma receita.
    E, estou de acordo, existe um criador.

    abs

    Chico

  4. Erivaldo Bastos

    Filho:

    Achar que o Universo é obra do acaso, tem a mesma possibilidade de um pacote de macarrão de letrinhas cair
    no chão e se transformar num dicionário.

    Gostou desse exemplo culinário? Qual criança não tomou sopa de macarrão de letrinhas? Isso ainda existe?

  5. Imx

    Se formos por esta lógica, então quem criou o criador? E quem criou o criador do criador? E assim sucessivamente… Mas se dissermos que não há um criador do “criador”, então entramos em contradição e se não quisermos entrar em contradição, há de se supor que em algum ponto as coisas surgiram do acaso, estranho não?

  6. Eri Post author

    Fala, cara.

    Hehehe… Essa resposta é parecida com a velinha da história no livro “Uma breve história do tempo” do Stephen Hawking (altamente recomendado inclusive).[1]

    Mas não… seu conceito de criador vislumbra o mesmo como uma criatura de outro criador. O criador de quem estou falando é aquele que se auto-nomeia “Eu sou”. Não é um Deus fraquinho e simplista (Salmos 145:3) que pode ser compreendido por nós.

    Esse criador está infinitamente acima do que o mais inteligente e estudado de nós foi ou jamais será (I Coríntios 3:19,20)

    Vou apenas dar um exemplo que vai fazer sua cabeça explodir. Não sei o quão familiar você é com a Bíblia, mas o primeiro verso, do primeiro capítulo do primeiro livro (aka Gênesis 1:1) diz o seguinte:

    “No princípio criou Deus os céus e a terra.”

    Toda vez que leio esse verso minha cabeça explode… Cara… “No princípio”. Se ligou que Deus criou “O princípio”? Que antes de Deus criar o “princípio” nada tinha começado? Isso significa que o tempo não existia. Deus então existe fora do tempo. Logo ele não teve um pricípio. Mas Ele CRIOU o princípio.
    Tem noção que quão cosmologicamente mind boggling isso é?

    E quer ver outra sensacional? Gênesis 1:3. “E disse Deus: Haja luz; e houve luz”.
    Se ligou que nesse momento o “Big-Bang” acabou de acontecer? E como? Deus acionando motores de íons de pósitrons numa nuvem de proporções celestiais? Não! Caracas… eu piro com isso. “DISSE Deus”. Deus só _falou_. Só precisou _abrir a boca_ e _ordenar_ que houvesse luz e o evento mais poderoso da história (que acabou de ser criada ali no verso 1) aconteceu.

    Sério mesmo… “proporções épicas” não dá nem pra começar a descever o meu Deus. E eu te GARANTO que Ele não precisa de um explicaçãozinha barata pra preencher dúvidazinhas filosóficas de vermes como nós humanos para justificar sua existência.

    Pior (ou melhor) do que isso? Um Deus dessa magnitude inescrutável e incompreensível me ama e se importa comigo. Tipo eu, que vivo comigo mesmo, vira e mexe não gosto muito de mim e queria um pouco de distância, mas Deus está comigo o tempo todo e conhece cada palavra que ainda vai sair da minha boca (Salmos 139).

    Eu realmente tentei de deixar entender Deus em “full scale” faz tempo… Mas muitas coisas me intrigam.
    Um Deus que ao mesmo tempo teve que apenas abrir a boca e falar para criar o universo e que controla todas as forças que ainda regem ainda olha para um bando de seres insignificantes num pontinho ridiculamente pequeno num planetinha num canto da via láctea e nos ama.

    João 3:16-17:

    “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
    Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.”

    Como disse no começo, nem fraquinho nem simplista. Meu Deus é sensacional. 😉

    E não, não acho nada estranho. Apenas infinitamente acima do que jamais serei capaz de compreender. Mas tá na minha lista de coisas pra perguntar quando encontrar nosso criador. Felizmente tenho toda a eternidade pra tentar entender.

    [1]http://en.wikipedia.org/wiki/Turtles_all_the_way_down

  7. Imx

    Eri, admito que fui um pouco troll no primeiro comentário, hehehehe, mas no seu artigo você tentou argumentar logicamente de que tudo tem um criador, daí veio meu comentários seguindo a lógica.

    Como não sou dono da verdade, respeito sua fé, além do mais, essa situação me fez lembrar do filme Contato (1997), se você nunca o viu, eu recomendo, ele retrata bem como é difícil explicar a fé.

    Todavia, assim como é quase impossível para uma pessoa descrente provar seu ponto de vista para alguém que tenha muita fé, a recíproca também é verdadeira, e as citações da biblía não são eficazes no convencimento.

Comments are closed.