Apenas no caso

By | January 21, 2021

O meu desgosto pelo sistema educacional tradicional é conhecido. Já reclamei aqui de como o que se ensina na escola – do ensino fundamental até universidade – em muitos casos não reflete o que precisamos realmente saber para viver a nossa vida.

Infelizmente não guardei a referência, mas um tempo atrás li um artigo interessante onde o autor trazia à tona que a maior parte das coisas que aprendemos na escola são ensinadas “apenas no caso”.

Apenas do caso de algum dia você precisar calcular a área de um triângulo, é assim que se faz. Apenas no caso de um dia você precisar conjugar esse verbo no pretérito perfeito da segunda pessoa do plural, é assim que se faz.

Se você não é um engenheiro ou arquiteto duvido que em algum momento da sua vida tenha tido que calcular a área de um triângulo. Se você não é, talvez, um advogado ou um autor de poesia deve ter demorado uns 3 segundos para sequer lembrar qual é a segunda pessoa do plural.

Massa atômica do Boro? Melhor saber, apenas no caso de precisar né? Ano que Dom Pedro II nasceu? Podem te perguntar isso na entrevista de emprego. Melhor saber, apenas no caso.

Eu duvido que esse sentimento seja apenas meu: Quando comecei a virar gente percebi o quão inútil pro resto da minha vida 90% do que eu estava aprendendo iria ser. Vou dar o benefício da dúvida e dizer que conhecimento era muito difícil de ser adquirido na época que eu estava na escola. Mas isso com certeza não é mais verdade hoje. Não é exagero dizer que você pode aprender praticamente qualquer coisa hoje sem sair de casa e gastando muito pouco (ou nada).

Na hora certa

A expressão em Inglês é just in time e o Google translate acha que a melhor tradução é “na hora certa”.

Como disse acima, acesso à informação e educação está – literalmente – na ponta dos nossos dedos. Smartphones e computadores estão disponíveis para praticamente qualquer um, inclusive pessoas de baixíssima renda. Isso traz a habilidade de aprendermos o que precisamos apenas na hora certa.

Recebeu uma oferta de trabalho na Bahia? Não precisa lembrar o que a tia Gertrudes ensinou na terceira série sobre o clima. 15 segundos na Wikipedia vai te dizer que o clima é “Equatorial, tropical com estação seca e semiárido”. Mas que raio é um clima semiárido? Mais 1 clique e está aqui a resposta.

Porque então você repetiu de ano por ir mal de geografia? Aliás, você hoje é um atuário. Ainda bem que te fizeram repetir a 4.a série e você sabe a capital de Roraima agora né? Já pensou que fracasso na vida você seria sem saber isso? </sarcasmo>

Depois de virar gente e ser responsável pela minha própria educação eu aprendi que adquirir conhecimento na hora certa é a melhor estratégia. Nesse outro post, por exemplo, falo como me eduquei para as necessidades do meu trabalho atual.

A minha humilde sugestão de como abordar sua educação é a seguinte: Saiba superficialmente sobre a maior quantidade de domínios de conhecimento possível. Tenha pelo menos o básico de um monte coisas. Mas não tente ir a fundo em nada que não seja: 1- Relevante para sua vida profissional ou 2- Algo que te atraia num nível pessoal.

Ter esse conhecimento superficial é o suficiente para mais tarde, na hora certa, adquirir mais profundidade no assunto. As chances de você precisar saber as dinastias chinesas são bem poucas. Mas se você se apaixonar por aquela moça chinesa, talvez seja a hora certa de aprender sobre as mesmas para impressiona-la.

Vou terminar aqui, mas considere isso: Não aprenda coisas apenas para o caso de precisar. É pra isso que a humanidade criou o Google, Wikipedia, Udemy, Kan Acamedy e outros. Saiba um pouco de bastante coisa e aprenda só que o interessa, na hora que precisar.

No tag for this post.