Metendo a mala na entrevista de emprego – Parte 2

By | July 16, 2008

Continuando o post anterior, vem agora o momento onde a empresa morder a isca que você jogou e entra em contato.

< parênteses>

A coisa mais ridícula é que eles ligam e falam: “Oi, aqui é fulano do RH da empresa XYZ. Você aplicou para a vaga X no dia tal. Você está interessado?”

É muito difícil pra mim eu responder esta pergunta, pois a resposta que vem à mente é sempre: “Não, eu só mandei pra ver quantos idiotas ligavam de volta”.

< /parênteses>

Começa o jogo: Levantando informações

Já no contato telefônico aproveitei para levantar o maior número de informações possíveis. Quem vai me entrevistar? Nome? Cargo?

Acabei descobrindo que eu ia ser entrevistado por um painel composto do gerente de IT, diretor de IT e uma representante do RH.

Com os nomes anotados começa o preparo para a entrevista. É preciso estar afiado, pois a entrevista vai com certeza envolver informações sobre a empresa e se você não souber nada sobre ela vai estar desclassificado.

Eu imagino que isso possa estar ligado a dois motivos:

  1. O sujeito quer trabalhar na nossa empresa e não se deu nem ao trabalho de saber mais sobre ela?
    1. Mostra desinteresse pela empresa
    2. Mostra desinteresse pelo próprio futuro profissional
  2. Esse sujeito deve ser muito desinformado para não saber nada sobre nossa empresa
    1. Fere o orgulho da empresa
    2. Se a empresa for realmente importante, você é um loser mesmo

Empresas de tamanho relevante (como por exemplo a Universidade que vou trabalhar) costumam ter uma entrada na Wikipedia. Já comecei por lá mesmo, devorando todas as informações. Da data de fundação até alunos famosos.

Depois disso eu aproveitei que sabia o nome do departamento que ia trabalhar e pedi pro Google me mostrar todas as ocorrências do departamento no domíno da universidade. Foi muito útil pois descobri o nome, telefone e email do gerente e diretor de IT que iam me entrevistar.

Acabei descobrindo também que o departamento recentemente ganhou prêmios acadêmicos importantes e mais outras coisas.

Tudo que fui descobrindo juntei em um arquivo texto simples para referência.

Treinando pra hora do vamo vê

Com todas as informações na mão, está na hora de se preparar para a entrevista.

Usando o sempre útil Efetividade.net cheguei neste artigo aqui. Ou, ainda mais importante este link dentro do artigo.

O autor do artigo em inglês dá 64 respostas para perguntas comuns em entrevistas. Normalmente com as opções: nunca responda isso, boa resposta e melhor resposta.

Juntei então no meu arquivo as perguntas que eu achei que seria importante estar preparado e respostas padrão para coisas simples, de forma a evitar me perder balbuciando demais.

Com isso tudo feito, preparei um mapa mental relacionando os requerimentos da vaga (responsabilidades + softskills) com minhas habilidades e experiências e possíveis perguntas com suas respostas.

Achei importante fazer isso para não cair em contradição e dar sempre respostas que reafirmam algo que disse anteriormente, martelando a idéia na cabeça do entrevistador.

A entrevista

Pela primeira vez na minha vida resolvi fazer algo diferente. Ao invés de terno e gravata, resolvi ir na entrevista com uma calça social bege, camisa social azul clara e sapato esportivo marrom. Eu estava me sentindo valente. 😛

Obedencendo as boas maneiras, cheguei uns 10 minutos mais cedo (na verdade mais de 20, mas fiquei no carro esperando) e fui direcionado para uma sala de espera.

Exatamente na hora agendada, vieram me chamar. Quando eu entrei na sala ficou fácil decorar quem era quem, pois eu já sabia os nomes. Só precisava juntar as caras e pude me referir a todos eles pelo nome durante a entrevista.

Não sei se isso é certo ou não, mas me recuso a chamar as pessoas pelo sobrenome. Procuro ser informal sempre, mas sem dar relaxo, claro.

Durante a entrevista percebi que o preparo valeu a pena. Todas as perguntas capiciosas que fizeram estavam na listinha que estudei. Meu mapa mental funcionou e eu dei boas respostas.

A parte técnica foi ridiculamente fácil no meu ponto de vista.

Follow-Up

No dia da entrevista, lá pra umas 10 horas da noite, mandei um email (lembra que a minha pesquisa me mostrou o email dos meus entrevistadores?) para todos no painel.

Reafirmei que eu estava realmente interessado na vaga, que tinha as qualificações necessárias para fazer até mais do que eles queriam e que estava muito agradecido pela atenção dispensada.

Encerrei dizendo que estava a disposição para sanar eventuais dúvidas e mais uma vez o gancho: “Fico ansiosamente esperando seu contato”

A recompensa

Como eu disse, consegui o emprego.

Lógico que ainda teve a fase de mandar referências, que agradeço ao Thiago, Gonelli e Shuyuan por responderem positivamente e depois uma ligação para meu atual chefe.

E depois de todas as fases que eles queriam devidamente executadas, chegou a minha vez.

Se passei por toda esta análise e monte de frescura, lógico que não ia querer sair por baixo. Quando me ligaram pedindo referências eu já fiquei esperto que iam, muito provavelmente, me chamar para a vaga.

Por isso já li este artigo, que dá dicas de como negociar seu salário. Foi uma boa perder alguns minutos lendo-o e preparando os meus argumentos. Consegui aumentar a oferta deles e vou assumir a vaga com um salário melhor.

Related posts

5 thoughts on “Metendo a mala na entrevista de emprego – Parte 2

  1. Vera Maria

    Filho fiquei maravilhada com o seu blog.
    Você é muito mais inteligênte e esperto do que eu imaginava, você vale ouro cada vez mais eu tenho orgulho da tamanha responsabilidade que você têm.
    Parabens pelo emprego, é mais do que merecido.

    BJ de quem te ama muito

    Mãe

  2. E. Coelho

    Grande garoto. Esse é o meu filho!
    Inteligente, esforçado e persistente,
    essa é uma fórmula que dá certo sempre.
    Que Deus o ajude e ilumine os seus caminhos sempre.
    Parabéns,

    Beijos.

    Pai

  3. X

    Sobre chamar pelo nome ou sobrenome: percebi que aqui no Canada eles usam sempre o nome e sempre se apresentam pelo nome (sem sobrenome), pelo menos em Vancouver. Uma dica eh observar se eles te chamam pelo nome ou sobrenome e copiar.

    Sobre a roupa: o ideal eh usar uma roupa mais ou menos de acordo com o que os funcionarios deste tipo de empresa usam no dia-a-dia. Por exemplo: usar terno e gravata numa empresa de games (aqui em Vancouver tem milhares) e ser entrevistado por um engenheiro de bermuda e camiseta eh “red flag” na certa.

    Sobre pesquisar sobre a empresa: concordo plenamente. Vale salientar que no final da entrevista eles sempre perguntam se temos alguma questao sobre a empresa (ou qq outra coisa). Eh bom sempre ter algo a perguntar, ou pelo menos comentar.

    Nao sei se vai haver “parte 3” desta saga, mas depois de ter passado pelo pior e receber uma oferta tem uma coisa tb muito importante: negociacao salarial. Voce passou por isso?

    X

  4. Eri Post author

    [Comment ID #2929 Will Be Quoted Here]

    Falou tudo. A perguntinha sacana “você tem alguma dúvida?” pode pegar no contrapé. Ainda bem que estava na listinha de coisas que estudei.

    E passei pela negociação de salário sim. Os últimos dois parágrafos deste post aqui falam disso e dão a dica de um site que ensina geeks a negociarem. 😉

  5. André

    Olá, Eri!

    Sou da área de TI e posso dizer que seu blog é muito bom tanto nesses assuntos quanto a informações sobre o Canadá. Parabéns!

    Uma pergunta: é muito difícil achar ofertas de emprego em Halifax que paguem cerca de 60 mil por ano (bruto)?

    Obrigado!
    André

Comments are closed.