Meus Cães – Parte XI

By | April 19, 2019

Uau. O último post dessa série foi em 2007. Bastante coisa mudou desde então…

Dot

Infelizmente todos os rottweilers se foram. A primeira a ir foi a mais novinha, a Dot. Câncer fulminante. Estava bem e em questão de menos de três semanas um câncer se espalhou por todos os ossos dela. Sempre foi uma cadelinha cheia de energia mas ficou apática e triste. A gente não sabia o que estava acontecendo e levamos ela na emergência num dia que ela estava muito ruim. Ela nunca voltou pra casa.

Dot

Pipe

Não muito tempo depois (pelo menos na minha lembrança, já que prefiro não memorizar essas datas) a Pipe começou a mostrar sinais que já era a hora dela.

Fazia um bom tempo que ela tinha uma dificuldade imensa de andar. Uma vez quis passear um pouco com ela e saí para uma caminhada. Nem 100 metros depois tive que ligar pra esposa vir de carro buscar a gente. Ela não conseguia mais se mexer (e não dá exatamente pra carregar uma rottweiler no colo por 100 metros ladeira acima).

Ela tinha uma artrite grave mais algum outros problemas de saúde. Ficava deitada o dia todo a ponto de fazer xixi na caminha dela. Zero qualidade de vida e a veterinária me deixou em paz com a decisão que era hora.

Pipe

Hurd

Dizem que não podemos ter favoritismo e que temos que gostar de todos igualmente. Mas não vou mentir que meu cachorro favorito é (foi?) o Hurd. Me despedir dele foi muito triste e até hoje lembro dele com saudades.

Já estávamos morando nos Estados Unidos fazia um tempo quando a saúde dele entortou. Nunca descobrimos qual foi o real problema, mas ele parou de ter interesse em comer. No final ele só comia salsicha, iogurte e umas bolinhas de manteiga de amendoim com proteína de whey que a esposa fazia pra ele. Mesmo assim era difícil convencer e eu tinha que dar na mão (sempre lembrando que ele era um bom menino entre uma bocada e outra)

Ele foi definhando as poucos e finalmente a veterinária me falou que era a hora dele.

Hurd

Pingo

Felizmente até o momento desse post o Pingo ainda está firme e forte. Bom… talvez não muito firme já que a artrite faz as perninhas dele tremerem constantemente. E provavelmente forte também não, já que visitas ao veterinário estão ficando frequentes já que ele se machuca fácil e vira e mexe aparece mancando.

Apesar das coisas típicas da idade (como perder a audição) eu acho que ele está indo bem. No momento 14 anos nas costas.

Pingo

Logan

E, finalmente, já apresentei o Logan num post inicial. Mas isso foi muito tempo atrás e aprendi tantas coisas mais (sobre ele e sobre cães em geral) desde então que vai merecer um post novo.

Tenho muita coisa para falar (não que alguém esteja interessado), mas o tl;dr é: Um cachorro sensacional – de uma personalidade muito diferente do que eu estava acostumado – com uma vontade própria muito forte e criado de uma forma completamente diferente dos outros quatro.

Agora que ele já completou um ano acho que mais ou menos o temperamento está firme. É normal um Pastor Alemão continuar amadurecendo até 2 ou 3 anos de idade. Com 1 ano e meio já está bem definido, mas acho que no momento já sinto uma segurança no que vai ser como adulto.

Aguarde um novo post no futuro.

Logan
No tag for this post.

One thought on “Meus Cães – Parte XI

  1. Chico

    Só uma correção.

    “Tenho muita coisa para falar (não que alguém esteja interessado)” – Eu estou kkkk, pode postar.

    abs

Comments are closed.