Uma experiência carnívora

By | March 19, 2015

Pra quem já acompanha o blog não preciso de introdução, mas pra quem não sabe a minha história pode dar uma olhada no post original e no seguinte sobre como passei de obesidade mórbida para tri-atleta, maratonista e praticante de CrossFit seguindo uma dieta com alta gordura e baixo carboidrato: Atkins

Desde o último post de 2012 muito tempo se passou e eu continuei estudando nutrição e esportes e acima de tudo testando diferentes combinações para ver o que funcionava e o que não funcionava. Li mais trocentos livros, sites, artigos científicos e ouvir muitos podcasts.

Acabei por adotar uma dieta primal que é a que fez mais sentido pra mim (e pra esposa). Mas de vez em quando eu acabo topando com uma coisa ou outra na Internet e resolvo testar.

Ano passado foi Whole30, que achei interessante como exercício de autocontrole e com certeza recomendo pra qualquer pessoa que queira uma dieta de curto prazo (30 dias como diz o nome) e que pode ajudar significativamente sua saúde.

Mas no mês passado trombei com uma dieta que me chamou a atenção: zerocarb.

Tanto Atkins, como Paleo, Primal, Keto e outras são dietas de baixo carboidrato. Dependendo da fase em que você está seus “netcarbs”, que são (total de carboidratos num alimentos – quantidade de fibra – quantidade de sugar alcohol) (não sei em português), devem ficar entre 20gm e 50gm por dia ou até umas 100gm por dia nas fases finais e dependendo do seu organismo.

Mas a proposta dessa dieta era exatamente o que nome diz: ZERO carboidratos (ou o mais perto que seja humanamente possível). Bom… Qualquer alimento de origem vegetal tem carboidratos, então essa dieta significa que a alimentação é basicamente de origem animal: Carne. Ovos também, mas cada ovo tem 0.6gm de carboidratos em média, então não sendo muito radical pode passar batido.

Mas mesmo leite, por exemplo, tem uma grande quantidade de carboidratos, então não se encaixa na dieta.

Então no último mês eu passei a base de carne, ovos, manteiga, óleo de coco e creme de leite. Nas duas últimas semana introduzi um pouco de queijo – mas com 0 carbs – e só. De tempero usei só sal, pimenta (pimenta preta e tabasco) e alho em pó (tão poucos carbs que nem registra). Pra beber foi café, água e chá. Nem preciso falar que sem adoçar. Nos dias de academia adicionava um shake de Whey (0 carbs).

Acompanhando alguns fóruns e pessoas fazendo zerocarb eu percebi dois grupos distintos: Os que aderiam só a ideia de não ingerir carboidratos e os que adotaram uma dieta simplesmente de carne vermelha. Cheguei a ler uma entrevista com uma família cujos hábitos alimentares me lembraram de um cachorro: Eles comem 1~2Kgs de carne vermelha numa única refeição diária. Que raios??

253041862_3e51adae58_b

Como eu não tenho essa grana pra comer 1Kg de carne vermelha por dia – que aqui no Canadá é bem cara – eu adotei só o lado de zero carboidratos e me dei por feliz com frango, porco, ovos e peixe enlatado.

No começo não foi ruim já que estou acostumado a fazer várias refeições na semana que são só uma carne sem nenhum acompanhamento, mas conforme o tempo foi passando começou a dar uma fissuras. E é interessante porque a minha dieta é tão limpa que dá até dó. Eu estava babando de vontade de comer brócolis, por exemplo.

No final da segunda semana melhorou um pouco, mas em nenhuma outra dieta que já testei tive tanto problema de ter vontade de coisas. Todo dia de manhã eu salivava de ver a esposa bebendo leite.

Além das vontades malucas outra coisa inesperada foi o intestino. Numa primeira olhada você pode pensar: Pô… essa dieta com zero carbs também significa zero fibra. Intestino preso, né? Desculpem falar isso tão publicamente, mas o contrário foi o que aconteceu. Ficou tão ruim a situação que no começo da terceira semana eu achei melhor comprar um probiótico pra dar uma assessorada pra flora intestinal. Eu tava achando que um dia ia me desfazer inteiro.

Foi barra-pesada segurar essa dieta por 30 dias. Eu quase desisti alguma vezes, mas aí eu me lembrei que eu não preciso de uma dieta nova. E tenho uma dieta que é excelente e já se provou pra mim. O que eu estava fazendo com 30 dias de zerocarb não era uma dieta: Era um exercício de autocontrole e persistência.

Terminei a dieta nessa terça-feira passada (escrevo isso alegremente beliscando um chocolate 85%) e aqui estão minhas conclusões (+) positivos e (-) negativos:

  • + Peso foi perdido: 3.7Kg a menos
  • + Performance não foi prejudicada: Estou no meio de um treino de musculação de 12 semanas. Continuei adicionando peso na barra em todos os treinos sem nenhum problema.
  • + Fácil de acompanhar as regras: Se não é um bicho morto ou um quase-bicho (ovo), não coma. Nada de contar calorias ou porção.
  • + Muitas vezes perdi a vontade de comer
  • – Muitas vezes pedi a vontade de comer
  • – Fissuras difíceis de controlar
  • – Intestino solto
  • – Monótona (que falta faz uma cebola, salsinha, pimentão, tomate…)

Pra mim particularmente essa dieta não serve. Eu gosto demais de comer (nem que seja alface, brócolis e abobrinha) para abrir mão do reino vegetal. Também acho que não seja uma dieta que uma grande parte da população. Eu vejo uma nicho de pessoas com extremas alergias alimentares, epilepsia ou alguma outra condição que exija algo tão radical.

No final foi uma experiência interessante, mas eu deixo você só acreditar em mim. Não precisa testar não.

No tag for this post.

2 thoughts on “Uma experiência carnívora

  1. Vera

    Filho, eu acho uma deita muito perigosa
    Tem excesso de proteína, que ao meu ver
    é prejudicial., fora que deve ser horrível só
    ter carne no proto, digamos parece animalesco
    bjs

  2. Renato Batista

    Sei bem como são essas fissuras.

    Fiquei por mais de 2 meses com uma dieta focada em cortar carbohidratos e açucares, a Dukan. Então dava umas vontades loucas de comer qualquer tipo de doce. Mas resisti e só comi quando viajei de férias. 😉

Comments are closed.