Triatlo

By | September 8, 2013

O termo em inglês é “bucket list”. Não tenho nem ideia de como falar isso em português, mas basicamente é uma lista de coisas a fazer antes de “kick the bucket” (morrer).

A minha é longa e não apenas notas mentais. Eu realmente tenho uma lista escrita, dividida em categorias e níveis de dificuldades, de coisas que quero fazer pelo menos uma vez na vida. E hoje foi dia de riscar mais um item: Correr um triatlo.

Eu imagino que as poucas pessoas que acompanham meu blog se dividem em duas categorias extremas quando se trata de esportes: Os que vão dar de ombros para um triatlo (afinal acham são atletas por natureza e podem fazer isso qualquer dia da semana sem nem suar) e os que vão ficar impressionados pensando que nunca conseguiriam fazer isso na vida.

Lamento dizer, mas os dois grupos estão errados. A não ser que você já seja um triatleta mesmo uma corrida sprint (750M nado, 20KM bicicleta, 5KM corrida) como a que fiz hoje exige um bom preparo físico e mental. Mesmo que você seja um rato de academia que faz 140Kg no supino eu não acho que iria conseguir acordar um dia e fazer um triatlo sem problemas.
E também posso garantir por experiência própria que mesmo que você hoje seja um obeso sedentário, hipertenso e diabético com 150Kg é possível reverter esse quadro e correr um triatlo. Não vai ser amanhã, não vai ser fácil e você não vai ficar numa boa colocação mas garanto que vai se sentir um campeão.

old_me

Sim. Sou eu nesse com 30 anos (foto da esquerda no meu aniversário).

A Prova

O negócio é mais complicado do que parece. A quantidade de badulaque que precisei levar não foi pouca: Shorts de compressão, camisa de compressão, bermuda (usei a mesma para as três fases), óculos de natação, touca de natação, camiseta (usei uma pra bike e uma pra correr), toalha (pra secar os pés antes de tentar colocar meias),tênis e meia (que obviamente só se coloca depois de nadar), capacete, óculos escuros (mais para proteger de mosquitos e poeira do que sol propriamente), relógio/GPS, água e bicicleta.

Isso porquê eu não tenho wetsuit e nem clipping shoes. Sem dúvida é um esporte mais caro e burocrático do que uma simples corrida. Aliás, minha bicicleta também é bem pobrinha. Comprei uma hibrida de menos de $ 1.000, enquanto é possível comprar tri-bikes de $ 15.000 ou mais.

Antes de começar a prova você precisa ajeitar sua “área de transição” que é onde você vai para se arrumar entre as mudanças de esporte. A minha transição ficou assim:

setup2Minhas tranqueiras

 

setup1Eu, me sentindo um peixe fora d’água.

No mesmo evento estava tendo duas distâncias: Sprint (750M/20KM/5KM) e Olímpico (1.5K/40KM/10KM) por isso o pessoal da distância maior largou primeiro. Já fui tentando “get in the zone” enquanto eles aqueciam.

zone

In the zone

Por falar em aquecer, é final de verão aqui no Canadá. Isso significa que estava 16.oC na hora da prova, o que pra um brasileiro não é nada agradável. Não tenho nem ideia da temperatura da água, mas vou classificar entre “gelada pra cacete” e “não sinto as extremidades do meu corpo”. Ah, sim… e só foi a terceira vez que nadei em água aberta. Não vou mentir: Doeu.

Mas graças a dica de uma amiga eu me enfiei na água antes da prova diversas vezes. Nadava uns poucos metros, saía e ficava ao vento. Depois da terceira vez fazendo isso a água já parecia mais quente do que fora dela.

number1 number2A marcação nas pernas e braços devem ser pra identificar os mortos. Só pode ser. “S” é pra Sprint e “O” seria pros olímpicos. O tempo mesmo é marcado por aquele chip preso no meu calcanhar esquerdo.

Se você ampliar a foto em que eu estou de costas ali em cima dá pra ver uns pontinhos laranjas dentro do lago. São as bóias indicando onde devo ir. O objetivo era nadar até a bóia do lado esquedo primeiro, passar por fora (à direita do meu corpo), nadar até a bóia da direita  e de lá nadar de volta pra praia. O detalhe é que devido a distância as benditas bóias parecem muito pequenas e foi muito difícil pra mim visualizar a direção delas entre cada respiração. É extremamente desconfortável e cansativo tentar olhar sempre, então tentei nadar o máximo possível entre cada espiada. Na ida fui até bem, mas na volta meu óculos (OK, eu comprei um bem baratinho) já tinha tanta água que eu simplesmente não conseguia ver nada. Tive que parar em um momento e começar a nadar peito pra água escorrer e eu conseguir ver a praia. Não preciso dizer que eu tinha nadado pelo menos uns 100M pra fora do percurso. Lógico, a água estava tão agradável, porque não ficar mais pouco? 🙁

Consegui terminar bem antes do tempo limite (impressionante, eu sei) e até antes do que eu achei que eu iria conseguir. E isso com os 200M +/- entre me perder e corrigir o percurso. \o/

swimingSaindo do lago e indo pra primeira transição

A minha primeira transição demorou muito mais do que eu tinha planejado. Aparentemente correr ladeira acima depois de nadar não é tão fácil quanto parece. Secar os pés, tirar areia e colocar meias e tênis sem um lugar pra sentar e exausto também precisa de mais treino do que eu previ. Quase caí. Teria sido cômico. Único atleta na história a se machucar na transição. 😛

t1-1

Tentando secar/limpar os pés. Já de camiseta comprida por causa do frio.

Foram uns bons 6~8 minutos entre sair da água e tirar a bicicleta. Aliás é proibido sequer encostar na bicicleta antes de já ter o capacete devidamente preso na cabeça. E só pode subir na bicicleta depois da demarcação, o que significa que é preciso correr empurrando a bicicleta por uns 150M +/-

t1-2Finalmente saindo com a bicicleta

O percurso da bike eu já conhecia. Tinha treinado nele umas 4 ou 5 vezes. Extremamente sinuoso, uns morros bem altos e, lógico, peguei vento contra logo na saída. Mas não foi muito ruim. Já tive dias piores treinando aqui perto de casa. Mas como Murphy é meu amigo, lá pelo KM 15, bem no pé de um morro eu tentei mudar a marcha muito rápido nos dois câmbios e perdi a corrente. E perder a corrente no pé do morro é sacanagem, porque perdi todo o momento e depois de gastar mais uns 5 minutos brigando com a corrente na beira da estrada ainda tive que começar do zero. Devo ter demorado o dobro do que demoraria naquela subida se tivesse momento.

Outro erro que cometi foi não ter dosado minha hidratação adequadamente. Eu consigo ir bem longe sem precisar beber e por isso fiquei “economizando” pra quando estivesse com sede. Acabou que quando terminei a bike ainda tinha quase meio litro de bebida, que eu achei melhor enfiar goela abaixo antes de correr. Péssima decisão. Líquido demais de uma vez me caiu atravessado e meu estômago ficou pesado.

t2-1Chegando pra segunda transição

A última parte foi minha maior decepção. Das três modalidades a corrida é o que eu “domino”, já que até uma maratona corri esse ano.

Já cheguei a fazer 5KM em menos de 28 minutos e apesar de não estar esperando isso hoje – depois de nadar e da bike – fazer os 5K em 32m:18s foi decepcionante. Vou precisar trabalhar nisso.

Não tenho nenhuma foto da chegada da corrida porquê a fotógrafa (e esposa) ficou tão empolgada tentando gritar, torcer e tirar foto ao mesmo tempo que não ficou aproveitável. Mas tudo bem, duvido que eu estivesse com uma aparência muito boa ao final disso tudo mesmo.

Por falar em esposa, ela me apoiou muito e ficou martelando auto-confiança na minha cabeça nas semanas anteriores à prova. (Eu estava com medo da natação e da água gelada).

post-2Obrigado minha princesa!

Além dela meus dois amigos Jeremy e Andrea que me convenceram a entrar nesse mundo de esportes e que tem nos acompanhado em diversas provas. Mas os sacanas me fizeram correr sozinho hoje. :-\

post-1

E agora?

Riscado da minha bucket list Agora vamos pro próximo nível de dificuldade: Competir numa distância olímpica. Mas isso não está na minha bucket list. Correr um IronMan está. Então são passos a serem tomados pra chegar lá.

E você?

Vamos lá. Esse post inteiro não foi pra me vangloriar nem mostrar como sou bom (afinal foi o penúltimo homem a chegar). O objetivo é dizer que se eu (o fofucho ali das primeiras fotos) consegui você também consegue. Não importa sua idade (3 pessoas na categoria  de 60-69 anos chegaram antes de mim) ou mesmo sua condição física atual (ouvi a história hoje de um cego que correu IronMan Canada) com treino, esforço e dedicação você também consegue correr um Triatlo

 

 

 

No tag for this post.

3 thoughts on “Triatlo

  1. Renato Batista

    Rapaz, muito bom ver o que tem conseguido com sua persistência, eu já me vi prometendo pra mim mesmo várias vezes voltar a fazer esportes e nada, sempre me enrolo com promessas do “amanhã começo”.

    Vou é começar logo de uma vez por todas, em outra categoria, artes marciais, mas ainda assim praticando esportes. 🙂

  2. Erivaldo Bastos

    Filho querido:
    Fico extremamente orgulhoso, não só da sua participação nesta difícil prova, mas principalmente pela sua evolução, garra e persistência. Afinal, de 150 para 75 não é fácil !!!
    Beijos,
    Pai

Comments are closed.